9 de maio de 2011

Faculdade em geral.

Pensei em postar algo mais interessante do que coisas a respeito da faculdade para o primeiro post sério do blog, mas é isso o que vem me incomodando ultimamente, e como devaneios também fazem parte deste novo blog resolvi postar. E quando digo faculdade, não é o curso em si, mesmo porque apesar de não ter tanta paixão como alguns da minha sala, gosto de Arquitetura (confesso que não gosto tanto da parte de urbanismo), mas sim todo o universo em que ela está inserida.
Vamos começar do começo: o ingresso à faculdade. Lembro que quando passei na UNESP fiquei bem feliz e meio desencorajada ao mesmo tempo, afinal é um mundo completamente diferente, mudança de cidade, novas pessoas, novos lugares, novas coisas para estudar, e claro, os trotes. Sempre achei trote uma coisa sem cabimento, forçar pessoas a fazerem coisas que elas não querem, chamar bixos de burros, tratar calouros como inferiores. Sério, não sei com que direito as pessoas se sentem superiores desta maneira, para mim isso é coisa de gente que não consegue mandar é em nada e usa o seu posto de veterano para se sentir de certa forma pleno. Mas eu dei sorte, meu trote foi super leve, só tinta e algumas brincadeiras (que na real, eu achei super bestas) e os veteranos foram gentis comigo (só armei o barraco na hora da brincadeira que tinha que botar a mão na bunda dos outros, não deixei macho nenhum colocar a mão na minha bunda rs).
E, falando em pessoas com ar de superioridade, não posso deixar de falar das pessoas que ao se sentirem livres dos olhos vigilantes dos pais, começam a pirar e acham que podem tomar todas as decisões sozinhos e podem passar por cima de tudo e de todos. Ah, vai falar que você não conhece ninguém assim? Acham que só porque mamãe e papai não estão de olho podem ser arrogantes e desrespeitosos o quanto puderem. Sério, qual é o problema dessas pessoas? Porque eu não sinto essa necessidade louca de pirar e fazer loucuras à vontade mesmo passando por cima dos outros. Claro que tem certas coisas que você não faz/diz na frente dos seus pais, mas posso dizer que a minha essência é a mesma na frente deles ou dos meus amigos, não traio meus princípios.
E, falando em pessoas em geral, não poderia deixar de citar o difícil convívio em uma república. São pessoas diferentes, de cidades variadas, de todos os credos, etnias e idades. Tem pessoas super fáceis de se conviver, já outras, um pavor. Ao que me parece, o que falta é o senso de comunidade, respeitar quem mora com você, dividir as tarefas igualmente, as contas. Mas não vou me prolongar mais neste assunto porque não quero que este seja assunto de intrigas tolas.
A sala de aula. As panelinhas. A sensação de não pertencimento que não desapega de mim. Tenho boas amigas na faculdade, mas acho que o meu temperamento, a minha recusa a confiar nas pessoas e minha timidez extrema não permitem que as amizades fluem de maneira rápida como as pessoas conseguem hoje em dia. Sério, fico boba, nunca consegui fazer isso, eu demoro MUITO tempo para ser realmente íntima da pessoa. Confesso que sinto inveja disto rs.
E claro, um assunto que ultimamente tem sido absolutamente desagradável: trabalhos, provas, maquetes, textos...! Acho que vou pirar haha! Não tenho tido muito tempo para as coisas que eu realmente gosto como desenhar, tirar fotos... sabe, trabalhar mais esse meu lado mais artístico meio que abandonado nos períodos letivos.
A viagem de 4h30min são extremamente cansativas, no começo era uma verdadeira tortura, mas acho que acabei me acostumando com o passar do tempo. Sem falar que, em Bauru ônibus é inexistente de domingo à noite, ou seja, só táxi universitário/mototaxi. Mas vale a pena voltar, ver minha querida mãe e meu amado namorado :)
Resumidamente são essas as coisas que têm se tornado parte do meu cotidiano.

2 comentários:

  1. Relaxa, tbm sou mto timida com as pessoas e demoro mtooo pra me tornar intimas delas! Esse negocio de panelinha é um saco mesmo, mas não tem jeito.. algumas pessoas acabam se unindo por causa das afinidades, das coisas q gostam de fazer, etc.. tem sempre aqueles q adoram baladas, são super descolados, e os mais normaizinhos q adoram cinema e ficar jogando em casa (tipo eu hahaha) enfim, a gente vai levando.. eu já me conformei q a facul é uma parte de nossas vidas e não ela inteira, e não vai definir tudo oq seremos ou faremos daqui pra frente. É só uma fase. E fases passam =)

    ResponderExcluir
  2. A faculdade é uma fase... mas infelizmente pessoas chatas e folgadas não. Ando de saco cheio delas rs

    ResponderExcluir