24 de julho de 2012

Bullying

Não sei porque, mas surgiu uma inspiração para falar sobre esse assunto chato que muita gente passa por aí, mas acaba não contando para ninguém. Todo mundo já passou alguma vez na vida por alguma situação em que te debocharam, excluíram, fizeram fofoca, etc. Imaginem quem sofre isso constantemente!
O problema é que hoje em dia, tudo é competição: quem tem as melhores notas, quem é mais bonito, mais magro, mais alto, fala mais línguas, quem tem mais amigos, quem tem o melhor cabelo, quem tem o melhor carro, quem é mais rico. É nesse mundo em que vivemos, onde pessoas fazem amizades não porque tem gostos em comum, mas porque não gostam da mesma coisa, e se você difere nem que seja um pouquinho, já é motivo para falatório e discriminação. Espinhas? Boca pequena? Etnia? Cabelo volumoso? Voz fina demais? Não pode, quem é você para respirar do meu lado se tem algum “defeito”?
Quando era criança, sofria bullying por dois motivos: não queria ser patricinha e eu era extremamente tímida. As meninas me chamavam para lanchar junto e eu recusava de tanta vergonha, e com isso não demorou muito para eu ser vista como metida (mas eu não culpo elas viu, parecia mesmo! Mas isso também serve para mostrar que certas atitudes nem sempre se resumem ao que parecem ser, e que a gente sempre tem que pensar e refletir). Para piorar eu gostava de videogames, Pokemón, Digimon, enfim, tudo que patricinhas odiavam. Demorou até a quinta série para encontrar amigas muito queridas que me aceitavam como eu era, mas até aí, era só bullying. Além de ser a excluída, tinha que ouvir coisas como “que metida, acha que é melhor só porque nasceu em outro país”, “nossa, a Larissa cortou cabelo? Tá mais parecendo um capacete”, ditas em alto e bom som. Não preciso dizer que era bem triste né? Porque eu acredito que, tudo bem, achou meu cabelo feio? Guarde para você ou comente com seu amigo reservadamente. É claro que ninguém é obrigado a achar tudo lindo e maravilhoso, cada um tem sua opinião e é livre para expressá-la mas tudo tem um limite. Se a sua opinião não foi pedida e vai ferir os sentimentos de alguém, simplesmente guarde. Você não sabe se a pessoa está bem para ficar ouvindo essas coisas chatas, e pode acabar em tragédia. E nem falo em suicídio, a pessoa pode ficar traumatizada mesmo.
Crianças são bem transparentes quanto às suas idéias e pensamentos, e daí a gente cresce e tudo fica maquiado, mas ainda está ali. Aposto que muita gente sofre isso no ambiente de trabalho até, onde supostamente todos deveriam ser adultos e maduros, mas infelizmente idade não corresponde a maturidade.
Não fiz esse post com intenção de ganhar o prêmio “drama queen sofredora” não, mesmo porque eu já estou muito bem resolvida quanto a esse assunto chato que já passou. Só me usei de exemplo porque sei que tem gente que sofre muito mais, tanto mentalmente quando fisicamente, mas como eu disse acima, não fala. Sei que é duro contar para alguém porque fica aquele pensamento “sou tão ruim que nem para conviver em sociedade eu consigo” ou coisas do tipo. Mas falem, desabafem e tirem esse peso do peito! E acima de tudo, se mantenham firmes, essas pessoas maldosas fazem isso justamente porque elas mesmas são inseguras porque acreditam na “perfeição”, e por serem tão críticas acham que falta muita coisa nelas mesmas para serem “perfeitas”, então precisam apontar o “defeito” dos outros para se sentirem melhores. E convenhamos que isso é triste demais. Caso mexam com você, ignore, deixe que entre por um ouvido e saia pelo outro. Mas caso não seja possível, responda de maneira firme mas educada. Se você quer fazer do mundo um lugar melhor, comece por você mesmo.
Tire nem que seja 10 minutos do seu dia para refletir sobre suas ações, sobre o que elas podem causar para você e para os outros. O mundo pode ser um lugar bem mais amigável e agradável se todos refletirem, fizerem sua parte e ter respeito. Para que perder tempo reparando no “defeito” dos outros, quando você pode usar essa energia para fazer coisas positivas para você mesmo? Use esse tempo para construir sua felicidade, e não para tentar destruir a dos outros. E essa reflexão acaba refletindo em muitas coisas: sabe aquelas brigas inúteis de trânsito? Sabe aquele empurra-empurra e cotoveladas violentas em ônibus e metrôs? Sabe aqueles casos de mal-tratos à animais? Sabe aquelas atitudes egoístas que a gente pratica por não pensar no ourto? Então!

2 comentários:

  1. Ótimo texto. Eu sofria bastante de bullying quando era menor, por ser mais gordinha (agora q vejo as fotos nem era tanto) e ter um cabelo muito volumoso, teve vezes que até implicaram com os meus lábios por serem mais grossos (hoje em dia isso é considerado bonito haha), eu era chamada de Valderrama (um jogador q tinha um black power D=) eu ODIAVA, mas dps de um tempo eu percebi que se eu não ligasse eles parariam, pq eles só faziam isso pra me atingir.

    Foi bom vc ter ignorado as patricinhas, eu não ignorei e fiquei amiga delas, e isso foi só pior, pq elas era falsas e eu as considerava minhas amigas e isso só machucava mais. E elas eram SUPER egoístas, eu tinha que fazer tudo por elas e elas não faziam nada por mim, foi na 5ª séries que eu me separei delas e encontrei minhas amigas verdadeiras (que coincidência ser na 5ª tb XD)

    Mas eu tb já fui uma pessoa que falava mal de graça dos outros há um tempinho atrás, demorou pra eu me tocar que isso é uma coisa ruim, teve que ter um bando de gente na internet falando mal de mim pra eu sentir como machuca, pq quando eu era menor eu meio que aprendi a não me importar, mas fazia tempo que eu não recebia um xingamento, hoje eu tento não falar mal de ngm e guardar minhas opiniões pra mim, apesar de ainda ter gente falando mal de mim. Mas é MUITO difícil ignorar, espero voltar com aquela força que eu tinha quando era menor pra parar de ficar triste com esse tipo de coisa..

    Anyways, todos tem esse tipo de problemas, eu acho. =) Alguns piores e outros nem tanto, mas tem.

    Eu te taggei (nunca sei como se falar hahaha) lá no meu blog! =3

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, santo ninguém é, todos nós soltamos comentários maldosos ou mesmo opiniões sinceras, mas a gente tem que ficar de olho se não machuca ninguém. Tem tanta coisa boa na vida para fazer em vez de fazer maldades com os outros! rs
      Mas força, força que nós iremos conseguir ser pessoas cada vez melhores daqui para frente :)

      Eba, vou ver! :D

      Excluir