23 de março de 2016

Jane Eyre


Jane Eyre é um daqueles livros que eu sempre ouvia falar mas não sabia de nadinha da história, somente que era um livro inglês que todo mundo comparava com os da Jane Austen.

Na Black Friday do ano passado eu passei numa Saraiva e encontrei alguns títulos desses livros da Sterling Publishing (que pelo que eu entendi a Saraiva tem uma parceria com eles para importação ou coisa parecida) beeeem baratos, acho que cada um saiu 17 reais, se eu bem me lembro. Eu já tinha o Mansfield Park (que também consegui comprar por um preço bem bacana, foi uns 23 reais eu acho) e por isso me animei para comprar mais.

O legal dessas edições da Sterling é que sempre tem uma introdução falando da autora e do contexto em que o livro foi publicado originalmente. Jane Eyre por exemplo é praticamente uma auto-biografia, uma vez que o trajeto de vida da personagem coincide com o da autora.



O livro possui uma jacket muito bonita, e o livro sem ela é muito bonito também, apesar de simples, eu gosto muito desse estilo. Os demais livros da editora são iguais, porém a arte da jacket varia (obviamente) e a cor da lombada do livro é diferente.
Uma coisa que eu acho linda nessas edições é que as folhas não são alinhadas, e algumas possuem um acabamento rústico, como se a folha tivesse sido rasgada, e não cortada. Sou simplesmente apaixonada!





A personagem principal da história é Jane Eyre, uma menina de 8 anos que vive com a tia e os seus primos, em um casarão chamado de Gateshead Hall. A narração do romance é em primeira pessoa, e já no começo a personagem conta como é infeliz no lugar em que mora, por causa da frieza da tia e das agressões dos primos. Após um episódio em que faz Jane não aguenta mais e fala tudo o que sente sobre a tia, os primos e as injustiças que sofre, ela é mandada para uma escola de caridade, a Lowood School.

Lá ela se adapta apesar das condições precárias e educação rígida, e assim passa toda a sua adolescência. Apesar de Jane ter feito amigos e ter se tornado professora, aos 18 anos ela decide que precisa de novos ares, pois se sente oprimida pelo fato de que ela poderia estar além dos montes que via no horizonte pelas janelas da escola. Assim sendo, ela anuncia no jornal os seus serviços de governanta e é chamada para Thornfield Hall.

Desde que Jane chega a esta casa o leitor consegue perceber um ar de mistério. Em primeiro lugar, Jane só descobre quem é o verdadeiro dono no dia seguinte após a sua chegada, e só o vê efetivamente meses depois, pois ele quase nunca visita a casa e não permanece lá muito tempo. Além disso, ela ouve estranhas risadas, acontece um incêndio no misterioso no meio da noite... vários fatos misteriosos...


Como as pessoas comparavam muito essa obra com os da Jane Austen, eu achei que ia ser um livro com final feliz e todo sobre romance, porém como vocês puderam perceber acima, a história tem um "que" a mais. Os fatos misteriosos que ocorrem instigam a sua curiosidade, e ao mesmo tempo intriga pois Jane vê e ouve todas estas coisas estranhas, mas depois é como se nada tivesse acontecido, o que deixa o leitor ainda mais curioso (ao menos foi isso que aconteceu comigo).

Por ser um livro que eu esperava uma coisa mas que foi outra, posso dizer que ele me surpreendeu positivamente. Eu adorei essa leitura! Eu certamente recomendo :)

E vocês, já leram Jane Eyre? O que acharam?

2 comentários:

  1. Acho que o único clássico que eu li até hoje foi O Morro dos Ventos Uivantes e Dom Quixote, e, sinceramente, não sei porque parei. Clássicos são incríveis, eles nos transportam para uma época muito diferente e, ao mesmo tempo, muito parecida com a nossa, o que faz com que a inspiração role solta haha

    Fiquei muito interessada nesse livro <3

    Abraço,
    milenaschabat.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, é bem legal ler algo que oi escrito há tanto tempo! :)
      Leia sim, é uma boa leitura <3

      Excluir