27 de outubro de 2016

Tá todo mundo mal


Quem comprou este livro já faz 4 meses e só está resenhando ele agora? Hahaha! Eu devorei ele em 3 idas e voltas de metrô pro trabalho-casa casa-trabalho. É um livro com linguagem simples e leve, mas que é complexo, pois faz a gente pensar nas nossas crises. Ah sim, este é um livro de crises!

Jout Jout juntou em um belo livro amarelo suas crises mais dramáticas, as mais engraçadas, as mais recorrentes, as mais tudo. São crises que eu e você já passamos, ou vamos passar. Por isso, todo mundo lê, se identifica, e entende.


O livro foi lançado pela Companhia das Letras, tem essa capa linda que dá um nó na cabeça de todo mundo mas que é genial, afinal, crises, certo? Tudo uma desordem e nossas vidas de ponta-cabeça. A ilustração é simples, limpa, assim como todo o resto, e eu gostei muito disso.



As primeiras e últimas páginas são amarelas no mesmo tom da capa. Por dentro, ele possui várias histórias curtinhas sobre crises, sendo cada uma delas aberta com uma página em preto, texto em branco e uma bolinha em amarelo. Todo livro tem uma linguagem visual e paleta de cores. Um chuchu.

Os textos das páginas de aberturas dos capítulos são em uma fonte num tamanho maior do que das demais, o que é ótimo, pois letra branca pequena num fundo preto, dependendo da qualidade da impressão, pode ser péssimo. Os textos nas páginas normais tem um tamanho bom, assim como o espaçamento e as margens. Mas sou suspeita para falar, já que eu quase nunca implico com essas coisas, tem que ser uma diagramação muito ruim para eu notar.


Agora falando do conteúdo: como eu já disse algumas vezes ali em cima, este é um livro de crises. Aliás, crises da Jout Jout, a youtuber empoderadora e quebradora de tabus, caso você não conheça. Vale a pena ir lá no canal dela conferir os vídeos, são temas pesados, importantes, mas tratados com naturalidade, seriedade, leveza e humor. Muito bom mesmo!
Para quem já viu os vídeos dela, quando ler o livro vai ver que é praticamente a sensação de quando vemos os vídeos, como assim, um bate-papo, sabe? Jout Jout compartilhando suas experiências e passando lições e reflexões para nós. E muitas, mas muitas risadas. Como eu ri dos puns quentinhos.
E como eu também já falei ali em cima (nossa, como sou boa em resenhas), é tudo muito pessoal, mas de todo mundo também. Todo mundo tem suas crises, suas nóias, sabe que são crises e nóias, mas a gente dá aquela sofrida, e às vezes, não conseguimos superar. A gente é tão assim que precisa ler a crise dos outros para ver "como não é nada", e que podemos seguir em frente sem pensar tanto naquilo. É aquela velha história de "melhor de ferrar com alguém do que sozinho". 

Enfim, praticamente uma leitura obrigatória para você, principalmente que está nos seus 20 e tantos, idade das crises de todos os tipos e em todos os campos da sua vida. E como cada capítulo é uma crise diferente, dá para ler tranquilamente, sem obrigatoriedade de seguir uma ordem ou coisa assim, fora que eles são relativamente curtos, dá para ler o livro todo num dia só.

E essa sou eu, resenhando um livro que deveria ter sido resenhado há 4 meses atrás, que provavelmente vocês já leram. Mas caso não tenham, fica a fica heim!

Até a próxima!

Nenhum comentário:

Postar um comentário